sexta-feira, 29 de janeiro de 2021

ESTUDANDO FILOSOFIA ESSENCIAL

                         Assistindo hoje de manhã, mais uma aula do curso online “Filosofia Essencial”, ministrada pelo professor Dr. Thiago Rodrigues Pereira, da Novo Liceu de Portugal, que hoje discutiu sobre o pensamento de Platão, no aspecto político, me chamou a atenção na ministração de hoje - que teve por título “A cidade perfeita – Formas de Estado e tipos de governo”, quando professor declarou que aquele filósofo acreditava que uma cidade perfeita seria formada por três classes de pessoas: 1ª) a dos lavradores, artesãos e comerciantes; 2º) a dos guardas e 3º) a dos governantes.

                   A primeira classe seria a base da sociedade, responsável pela produção de bens de consumo, inclusive obras de arte. No entanto, para Platão,  essa classe, sozinha não seria capaz de governar uma nação, por isso ele acreditava que seria necessário uma segunda, formada pelos guardas (ou guerreiros), representando a função de proteção a cidade-estado contra ofensas, guerras e conflitos gerados por outras cidades ou pessoas, procurando sempre manter a ordem dentro daquela nação. A terceira classe, seria formada pelos governantes (um conglomerado de pessoas) que deveria deixar seus interesses pessoais de lado e, juntamente com as outras classes procurar fazer um governo visando o bem comum.     

                   Para Platão, a Cidade perfeita seria aquela onde predominasse a temperança na primeira classe social, (a dos lavradores, artesãos e comerciantes), a fortaleza ou coragem na segunda (formada pelos guardas) e a sabedoria na terceira (formada pelos governantes). A "justiça" nada mais é que a harmonia e a virtude existente entre essas três classes.

                   Para o referido filósofo, a tirania é a pior forma de governo, pois a violência é quem predomina. A lei é o próprio tirano. Não existe limites para suas ações. A segunda forma ruim de governo é a democracia, pois o excesso de liberdade é quem predomina. Ela é representada por um Estado corrompido. Cita como exemplo a condenação do maior filósofo de todos os tempos, Sócrates que foi condenado a morte por um governo democrático. Para Platão, democracia é “o governo de cegos guiando outros cegos”.  

                    Ele (Platão) não acreditava numa democracia não corrompida (governo de muitos, que ele chamava de demagogia), pois não visa o bem comum, não utiliza a racionalidade na melhor forma. De maneira que, para ele, as melhores formas de governo seriam a Monarquia, desde que haja com respeito às leis; ou aristocracia, onde filósofos comandariam ou governariam a nação, sempre em busca do bem comum. Se o rei se corrompesse se tornaria um tirano, ou se a aristocracia se corrompesse, se tornaria uma oligarquia (onde as leis não são respeitadas). Tudo volta a girar em torno da filosofia, sempre em busca do bem comum.

                  Falo agora eu, não o filósofo. Em relação a “democracia” existente em nosso país, independente de quem esteja à frente do governo, o leitor poderá verificar se o que o filósofo disse acima se coaduna com a verdade. O que vemos em nosso país é uma democracia ou uma demagogia? Repito, independente de quem esteja à frente do governo. Da minha parte, concordo plenamente com o filósofo, sem a necessidade de acescentar qualquer comentário, o leitor,por si só, sabe identificar que o que vemos em nosso pais, passa por longe de uma democracia perfeita, repito, independente de quem esteja à frente do governo.

                    O curso online de “Filosofia Essencial” é ministrado pelo professor, Dr. Thiago Rodrigues Pereira e é composto de 20 módulos, cada um de três a cinco aulas, com temas os mais diversos, sempre destacando o papel da filosofia nos mais diversos ramos da vida humana; conta com o auxílio de slides, que o aluno pode baixar e salvar, bem como espaço para anotações do aluno. Ao final é fornecido um certificado de conclusão do curso.

                 Thiago Rodrigues Pereira é pós-doutor em Direitos Humanos pela Universidade Católica de Petrópolis - UCP, Doutor e Mestre em Direito pela Universidade Estácio de Sá - UNESA/RJ. É também palestrante junto à Motivação Palestras e associado da Associação Brasileira de Ensino à Distância - ABED.

                   É importante destacar que o curso não é gratuito.  O interessado paga um valor que é acessível para qualquer pessoa, e uma vez inscrito terá acesso ao curso por toda a vida, podendo assistir e rever as aulas quando bem entender. Recomendo a todos que pretendem aperfeiçoar seus conhecimentos e compreender mais um pouco sobre a vida e as muitas formas de visão que ela tem.

                   O interessado estudará de forma muito didática sobre Platão, Sócrates, Nietzshe, Aristóteles, Kant, Sartre, Spinoza e uma gama de filósofos que influenciaram o mundo e até hoje são estudados em escolas, faculdades e universidades em todo o planeta

                         Quem se interessar é só entrar em contato pelo endereço abaixo:

 .https://eadnovoliceu.com/filosofia-essencial-campanha

terça-feira, 19 de janeiro de 2021

AS MUDANÇAS CAUSADAS PELO COVID-19

 


AS MUDANÇAS CAUSADAS PELO COVID-19

             Por Paulo Tarciso Freire de Almeida

                       Ilustração da capa Paulinho Vilela

 

Lembro que eu já falei
Sobre essa tal “doença”
Mas aqui vou destacar
Como se fosse sentença
Sobre as mudanças ocorridas
Que fazem parte da vida
Pois peço a você, paciência.
 
Vou narrar neste cordel
Sobre as mudanças causadas
Por essa terrível praga
Coronavírus chamada
Ou covid 19
Então me escute e anote
Agora é “barra-pesada”.
 
Logo  agora no começo
Quero lembrar a você
Abraço e aperto de mão
Não podem mais ocorrer
E com os punhos fechados
Ou mesmo o rosto inclinado
Cumprimentos que se vê.
 

Uma mudança chocante

É quando morre alguém

Seja preto, branco ou rico

Não se vela mais ninguém

Vai logo pro cemitério

Esse caso é muito sério

Deixa a família refém.

 

Outra mudanças lhe conto
Foram as aulas online
Alunos e professores
No distrito ou na cidade
Usando computadores
Criaram novos labores
Usando até celulares.
 
Os professores agora
Foram se reinventar
Se trabalhavam pesado
Serviço veio aumentar
Lista imensa de alunos
Perderam até o sono
Para as aulas programar.
 
Outra mudança das grandes
Ocorreu no futebol
Jogos com estádios vazios
No estômago deu um nó
Sem a torcida presente
O jogador muito sente
É como estivesse só.
 
Fazer gol sem ter o grito
Vibração dos torcedores
É  igual comer um prato
Sem “mistura” ou sem sabores
Fica sem animação
Mesmo sendo o campeão
É novela, sem atores.
 
Filhos que estavam distantes
Voltaram logo ao ninho
O pai e a mãe pois agora
Não mais estarão sozinhos
Agora tem companhia
Pra noite, pra tarde e pra o dia
Boas conversas e carinho.
 
No poder judiciário
A mudança foi imensa
Atendimento online
Até mesmo a audiência
Se o réu estiver preso
Sendo magro ou obeso
Não precisa da presença.


A testemunha é ouvida
Mesmo pelo celular
Estando ela no sítio
Ou na cidade a morar
Tendo a conta de acesso
Depoimento é bem certo
No processo vai chegar.
 
Sentença e intimação
Audiência e Alvará
É tudo agora online
Enquanto a crise reinar
Nada é mais presencial
E quando volta ao normal?
Só o tempo é quem dirá.
 
No comércio fazer compras
Só com máscara e álcool gel
Padaria ou farmácia
Seja João ou Isabel
Tem que manter a distância
Deixar de ignorância
Senão vai “morar no céu”.
 
E o transporte alternativo?
Teve também alteração
De passageiros e mudanças
Usar máscara é obrigação
Álcool gel distribuído 
Viajou é exigido   - Só assim tem permissão.

 
Câmara de vereadores
Até o S.T.F.
Reuniões são online
Senão os membros padecem
Não pode facilitar
Vírus está a se espalhar
E quem pegar esmorece.


Seja lá no Tribunal
No Senado ou na escola
Encontros presenciais
Nem mesmo pra dar esmolas
É tudo pela “internet”
Me disse assim Bernadete
“Ou aceita ou vai embora”.
 
Os programas de TV
De auditório e ao vivo
Com plateia em grande número
Não podem ser transmitidos
Só gravados e assim mesmo
Longe um do outro, assim vejo
Tudo agora é de improviso.
 
Novas novelas não podem
Pelo menos no momento
Ser gravadas, é perigo
A saúde recomenda
Por isso que os canais
Repetem as que foram mais
Sucesso até pouco tempo.
 
Sim, eu ia esquecendo
Das igrejas e liturgias
Na católica por um tempo
As rezas e a homilia
Só com as portas fechadas
Só online trabalhava
Era a “lei” exigia.
 
Nas igrejas evangélicas
Ocorreu também assim
Por um tempo foi fechada
Digo que foi muito ruim
Os bancos todos vazios
Mas em casa assistiam
Lives do começo ao fim.


Os bares e restaurantes
Tiveram que se adaptar
Diminuir clientela
Um do outro se afastar
Por um tempo foi fechado
Mas depois foi liberado
Com regras para aplicar.
 
Shows de muitos cantores
Nunca mais aconteceu
A não ser algumas lives
Que num período ocorreu
Mas foi caindo da moda
E hoje pousos adotam
Assim observo eu.
 
Logo quando começou
Essa tal de pandemia
Ruas foram bloqueadas
E foi aquela agonia
Barracas foram montadas
Fiscalizar quem entrava
De onde vem e pra onde ia.
 
Mediam a temperatura
Uso de máscara exigia
Álcool gel nas duas mãos
Sem isso ninguém saia
Mas era uma exigência
Temos sim obediência
Não era por fantasia.
 
E nas agências bancárias
Era exigido também
Manter o distanciamento
Um metro, de mil ou cem
Mas muitos dos usuários
Faziam tudo ao contrário
Não se afastava ninguém.


E a ajuda do governo
Para o pobre não morrer
De fome ou necessidade
Veio sim acontecer
Seiscentos reais “doado”
A muitos tem ajudado
O pão e a carne comer.
 
Os governos foram vendo
A chegada da eleição
Com o vírus dando pausa
“Liberaram” a multidão
Para as ruas das cidades
Deram grande liberdade
A centenas ou milhão.
 
Foi chegando a política
Campanha municipal
Comícios não ocorreram
Mas um fato foi real
Carreatas e multidões
Fizeram aglomerações
O vírus voltou real.
 
Em vez dos grande comícios
Eram lives que ocorriam
Candidatos a prefeito
A vice ou quem pretendia
Cargo de vereador
Suas lives apresentou
De tarde, de noite, ou de dia.
 
Pouco depois da eleição
A doença aumentou
Mortes em todo lugar
Foi mesmo um grande clamor
Só não podem reclamar
Já sabiam onde ia dar
Muita gente avisou.


Foi chegando o fim do ano
E as festas natalinas
Nas ruas não houve show
 Nem cantor, nem bailarinas
Uma festa diferente
 Com a família presente
Se é natal sei que é divina.
 
E quem vivia de show
Seja cantor ou empresário
Os eventos deram pausa
Prejuízo ao numerário
Tiveram que se virar
Outro ramo encontrar
Pra sair do “calvário”.
 
Incrementos de palavras
Com essa tal endemia
Estão no vocabulário
Que falamos hoje em dia
Algumas eu vou dizer
Sendo assim vamos aprender
Isso é polissemia.
 
Uma das palavras novas
Em nosso vocabulário
É e tal de “lockdawn”
E o seu significado
E mesmo o fechamento
De ruas por um momento
Por governo autorizado.
 
Outros chamam “tranca rua”
Só pra brincar, dar risada
Mas que ficou conhecida
Ninguém duvida de nada
Cloroquina é outra nova
Com medo de ir pra cova
Farmácias foram lotadas.
 
Distanciamento social
Todos sabem o que é
Mas antes poucos falavam
Seja homem ou mulher
Havendo necessidade
No país ou na cidade
Precisou, botamos fé.
 
Usar máscara é ruim
Pra usar óculos é pior
Embassa tudo e atrapalha
Respiração dá um nó
Mas pior é não usar
Pegar o vírus e parar
No hospital e ficar só.
 
Parabéns a toda equipe
Que de heróis vou chamar
Médicos e enfermeiros
Noite e dia a trabalhar
Seu trabalho foi dobrado
Merece assim ser honrado
Aqui e em todo lugar.
 
Pois é meus caros amigos
A mensagem que escrevi
Sobre o coronavírus
E as mudanças que vi
Peçamos ao Pai Eterno
Decrete no seu caderno
O fim desse tal covid. 
 
Buíque, 14 de janeiro de 2021
 
 
PAULO TARCISO FREIRE DE ALMEIDA
Autor